Olhar de cachorro.

POEMA: OLHAR DE CACHORRO.

Parte 1 Olhar de cachorro.

Olhar de cachorro.

Que olhar é esse,

Que impregnou-se em meu rosto,

Como um calmante?

Será para me convencer,

Que eu preciso melhorar o olhar?

cachorro

Imagem: Pixabay

 

Talvez seja para afastar o medo,

Que tem me impedido de olhar.

Com o olhar de cachorro,

O medo não chega perto.

Não importa a vitrine,

Para a qual eu deva olhar.

 

O que importa é que se deve olhar.

Seja para qual horizonte.

Seja para qual pessoa.

 

O que importa é olhar.

O meu olhar.

O seu olhar.

 

Após algumas décadas de nascimento,

A redescoberta do olhar.

Simplesmente olhar.

Haverá o risco do rótulo de gay,

Que talvez acresce com o da prostituta da esquina.

Sabe-se lá mais o quê!

 

Mas, se não olhar, irei me acanhar.

Esconder-se por trás do olhar faz mal a si mesmo.

Pode ganhar rugas,

Que não caberão na roupa que usa.

Parte 2 Olhar de cachorro.

O olhar, porém, tem que ser bem feito.

Para limpar as vistas, duplamente.

De quem olhar e de quem será visto.

 

O olhar bem feito exala um perfume ainda não descoberto.

Olhar igual os cachorros fazem.

Conduta simples e básica,

Que começa no olhar.

 

Caso contrário, as pessoas se afastarão,

Se não olhar.

Possível que nasçam flores,

Que não são da primavera.

Iguais às que acabam de estremecer meu peito,

Com estranhas palpitações,

Vindas de um mundo,

Não tão estranho assim,

Perto do meu!

Abalo sísmico que sismógrafo nenhum vê.

 

Durante todos estes anos,

Como a venda nos olhos afetou meu olhar.

Mas não vou lamentar,

Nem chorar.

Porque só preciso olhar,

Para, de algum modo, me achar.

 

Simplesmente olhar.

Igual os cachorros fazem.

Conduta simples e básica,

Para endireitar o olhar.

 

Brasília, 3 de outubro de 2017 às 11:45

 

Olhar de cachorro.  Poema de Bomani Flávio

Clique aqui para curtir a página no facebook

Clique aqui para curtir a página no instagram

 

Teoria do ovo: o viver por dentro e o viver por fora.

O Hubble devia fotografar meu quintal.

 

Deixe uma resposta

  1. Pingback: Morte natural. Poema de Flávio dos Santos Ferreira. | Poesias - Blog. |

  2. Pingback: A consciência negra. Poema. | Poesias e contos - Blog. |

  3. Pingback: A ansiedade transbordou a palma da minha mão. | POESIAS BLOG |

  4. Pingback: Três olhos para amar você. | BOMANI POESIAS BLOG |

  5. Pingback: O que se fazer sob os efeitos do AVC? | BOMANI POESIAS BLOG |

  6. Pingback: Rosa do Nepal para entregar a você. |BOMANI POESIAS BLOG |

  7. Pingback: As ameaças dos campos de Auschwitz. |BOMANI POESIAS BLOG |

  8. Pingback: Voando de paraquedas aos 102 anos. | BOMANI POESIAS BLOG |

  9. Pingback: O pânico quer interferir no meu modo de ser. | BOMANI POESIAS BLOG |

  10. Pingback: Meteoro e os meteoritos: eles têm a nos ensinar. | BOMANI BLOG |

  11. Pingback: Meu eu é um ser extraterrestre. |BOMANI POESIAS BLOG |

  12. Pingback: A camisa polo verde está me sufocando. – Bomani Poesia – Blog

  13. Pingback: Carcará, uma ave de rapina em meu quintal. | BOMANI POESIA BLOG |

  14. Pingback: Estou surtando para dentro de um quadro.| BOMANI POESIAS |

  15. Pingback: A crise existencial veio do chão do meu coração.| BOMANI POESIAS |

  16. Pingback: Uma onça fez tatuou Minha pele. | BOMANI FLÁVIO |

  17. Pingback: Tem uma chama na vida do casal. | BOMANI FLÁVIO |

  18. Pingback: Estou à deriva à procura do meu amor. | BOMANI POESIAS BLOG |

  19. Pingback: Se passar por depressão, cuidado com Corine. | Poema de Bomani Flávio|

  20. Pingback: Durante as fases da lua... | BOMANI FLÁVIO | BLOG |

  21. Pingback: A piscina gelada de Alepo. | BOMANI POESIAS BLOG |

  22. Pingback: Uma capa para preservar o equilíbrio. | Bomani Flávio |

  23. Pingback: Se estiver sem energia, vá para Kizur. | Poema do Bomani Fávio |

  24. Pingback: Eu não consigo voltar atrás. | Poema de Bomani Fávio |

  25. Pingback: Escola da desordem.| Poema de Bomani Flávio | BOMANI POESIAS

  26. Pingback: Estou desenhando o avô ou a vó dentro do meu ser. | Bomani Flávio

  27. Pingback: Não me toque, meu amor. | Poema de Bomani Flávio

  28. Pingback: Sua paciência de Jó comigo. | Poema de Bomani Flávio