POEMA: OLHAR DE CACHORRO.

Parte 1 Olhar de cachorro.

Olhar de cachorro.

Que olhar é esse,

Que impregnou-se em meu rosto,

Como um calmante?

Será para me convencer,

Que eu preciso melhorar o olhar?

cachorro
Imagem: Pixabay

 

Talvez seja para afastar o medo,

Que tem me impedido de olhar.

Com o olhar de cachorro,

O medo não chega perto.

Não importa a vitrine,

Para a qual eu vou olhar.

 

O que importa é que se deve olhar.

Seja para qual horizonte.

Seja para qual pessoa.

O que importa é olhar.

O meu olhar.

O seu olhar.

 

Após algumas décadas de nascimento,

A redescoberta do olhar.

Simplesmente olhar.

Haverá o risco do rótulo de gay,

Que talvez acresce com o da prostituta da esquina.

Sabe-se lá mais o quê!

 

Mas, se não olhar, irei me acanhar.

Esconder-se por trás do olhar faz mal a si mesmo.

Pode ganhar rugas,

Que não caberão na roupa que usa.

Parte 2 Olhar de cachorro.

O olhar, porém, tem que ser bem feito.

Para limpar as vistas, duplamente.

De quem olhar e de quem será visto.

 

O olhar bem feito exala um perfume ainda não descoberto.

Olhar igual os cachorros fazem.

Conduta simples e básica,

Que começa no olhar.

 

Caso contrário, as pessoas se afastarão,

Se não olhar.

Possível que nasçam flores,

Que não são da primavera.

Iguais às que acabam de estremecer meu peito,

Com estranhas palpitações,

Vindas de um mundo,

Não tão estranho assim,

Perto do meu!

Abalo sísmico que sismógrafo nenhum vê.

 

Durante todos estes anos,

Como a venda nos olhos afetou meu olhar.

Mas não vou lamentar,

Nem chorar.

Porque só preciso olhar,

Para, de algum modo, me achar.

 

Simplesmente olhar.

Igual os cachorros fazem.

Conduta simples e básica,

Para endireitar o olhar.

 

Brasília, 3 de outubro de 2017 às 11:45

 

Olhar de cachorro.  Poema de Bomani Flávio

Clique aqui para curtir a página no facebook

Clique aqui para curtir a página no instagram

 

 
Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: