POEMA: O ANO NOVO.

Parte 1 Ano novo

 

O ano novo começou em outubro, 

Mas dezembro surge se abrindo para meus olhos sedentos. 

Vislumbro aquelas profecias para o ano-novo. 

Renovação de promessas não cumpridas. 

Muitas festas e comilanças 

E fogos de artifícios.

ano novo
Imagem: Pixabay

 

Antes assistia com afinco o réveillon.
Mas agora dezembro vai emergindo como o circo que abre o ano-novo.

 

É que não se pode esquecer dos cinco dias antes. 

Até mesmo do que aconteceu ou podia ter acontecido há três meses ou mais.

 

Parte 2 Ano novo

 

Banquetear será bom se todos derem as mãos desde os dias de ontem. 

Os refugiados com os europeus. 

Os latinos com os do Norte.

Os judeus com os árabes. 

Não se esquecendo dos asiáticos com os chineses.

Banquete não tem data fixa. 

Todos os dias seriam celebração!

 

Brasília, 6 de outubro de 2017 às 18:50

 

©‎Ano novo. Poema de Bomani Flávio

 

Clique aqui para curtir a página no facebook

Clique aqui para curtir a página no instagram

 

 

 

 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: