Testamento da minha vida.

POEMA: BREVE TESTAMENTO DA MINHA VIDA.

Testamento da vida.

 

Breve testamento da minha vida será lavrado quando eu nascer.

Não quando envelhecer.

Item inicial será a chupeta, meu terceiro peito.

Disporei de todas as fraldas descartáveis, 

Inclusive as reaproveitadas pela escassez de dinheiro.

testamento
Imagem: Pixabay

 

Os bodies, que forem se perdendo,

Leiloados serão entre os que esqueceram da minha chegada.

 

Há cartório de registro para isso.

O tabelionato da justiça precoce.

 

Breve testamento da minha vida será lavrado quando ao útero eu voltar.

Não quando nascer.

As despesas com o pré-natal certamente rateadas,

Mas jamais esquecidas,

Entre aqueles que pouco caso fizeram da barriga crescente da minha mãe.

 

Há cartório de registro para isso,

O tabelionato da justiça precoce.

 

Breve testamento da minha vida será lavrado quando não mais eu tiver juízo,

Tijolo ingrato e infiel.

Herança das imprevistas relações do gênesis.

 

Há cartório de registro para isso,

O tabelionato da justiça precoce.

 

Declaração de vontade, já nascido, jamais eu daria.

Minha mãe não saberia,

Porque estaria esperando meu irmão,

Com nova barriga,

Que cresce a cada dia.

 

Depois de todo o esforço em vida,

Compensaria voltar ao útero materno,

Para avaliar os olhos dos descontentes.

Não poderia haver o fim.

Mas sempre voltar-se para o início.

 

Mas não há cartório de registro para isso.

O tabelionato da justiça tardia.

 

©‎Testamento da minha vida. Poema de Bomani Flávio

—***—-

—***—-

Clique aqui para curtir a página no facebook

Clique aqui para curtir a página no instagram

 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: