Cidade com portas abertas. 

POEMA: CIDADE COM PORTAS ABERTAS.©‎

Parte Cidade com portas abertas.

Sonhei esta manhã que todas as cidades do mundo,

De todos os continentes, credos e línguas,

Estavam com as portas abertas. 

Ninguém nada entendia,

Porque não dava tempo por tamanha euforia.

cidade
Imagem: Pixabay

 

Nada de alfândega

Para barrar negros, imigrantes latinos, gente mestiça.

Gente de outro planeta.

Gente vindo das cavernas desabitadas da lua.

Trânsito livre, pois, para todos os carros e pessoas.

Navios sem restrições.

 

Havia, enfim, celebração para comemorar o fim do passaporte.

Bem diferente do dia anterior

Em que eu dirigia em uma autoestrada,

Quando deparei-me com uma placa,

Furada ao meio por uma faca.

As setas invertidas me desorientavam.

Da esquerda direcionava para as portas brancas.

Da direita para portas pretas.

Lágrimas saíram de meus olhos.

 

Quantas classificações para processar!

Na estrada,

Seja aonde for,

As leis do trânsito não deveriam levar a lugares difíceis.

 

Acordei assustado.

Não devia haver cidade com portas brancas!

Também não devia haver cidade com portas pretas!

Bastava a denominação cidade com portas.

 

E se houvesse que qualificar as portas,

Que fosse a cidade com as portas abertas.

Cidade com portas receptivas faz bem a si mesma,

Pois a propriedade é uma fantasia de quem a criou.

Só se leva a propriedade quando se morre.

 

Brasília, 3 de dezembro de 2017 às 16:47

 

©‎Cidade com portas abertas. Poema de Bomani Flávio.

 

Clique aqui para curtir a página no facebook

Clique aqui para curtir a página no instagram

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: