Síndrome do pânico.

POEMA: SÍNDROME DO PÂNICO: RELATO NO CONSULTÓRIO DE TERAPIA.

Parte 1 Síndrome do pânico.

 

Doutor, neste consultório de terapia, apenas me ouça.

Desintegrar-me é a sensação etérea que sinto,

No interior do meu ser.

Mas não consinto, 

Por isso o descontentamento

Que chega para me abater.

síndrome do pânico
Imagem: Pixabay

 

Dizem que é a síndrome do pânico

– É isso mesmo? –

Que explodiu com larvas de todo tipo de terror dentro do meu ser.

 

Taquicardia, falta de ar, alucinação, tudo tão vulcânico,

Sem medida alguma, para entender.

Luta desigual de todo o dia.

Semblante caído, que não é desídia,

Contra um ser invisível,

Poderoso como o pavor, nada plausível.

 

Parte 2 Síndrome do pânico.

 

Estou cansado de tanto me assustar,

Por iminente cheiro de morte a açoitar-me.

Só não sei como, mas devo me afastar do perigo,

Do terror que me faz sentir tão sem abrigo. 

Densa floresta em que estou sozinho comigo.

 

Disseram que preciso recuperar o equilíbrio emocional perdido,

Com o rivoltril, o clonazepam ou a paroxetina.

Novos amigos, para quem estar aturdido,

Entre equilíbrio e ambiguidade.

Viver eu quero, mas nada de ansiedade.

 

Do jeito que estou, a síndrome do pânico sempre vai me vencer,

Neste e no próximo amanhecer.

Antes que me sucumba,

Resta-me descobrir o monstro que construí,

Durante vivência em que anuí.

 

De todo o modo, o monstro se escondeu dentro do ser do meu ser,

Que eu, o próprio dono, achava que conhecia.

Alojou-se no cofre mais escondido do mundo,

Sem ao menos eu perceber.

 

Parte 3 Síndrome do pânico.

 

Portanto, doutor, preciso desconstruir o monstro,

Não desintegrar-me.

O descontentamento é a esperança que resta,

Para sair desta densa floresta.

Terreno pantanoso,

Para um coração há muito imaginoso.

 

Mas preciso realmente saber quem é o bicho, 

Que impregnou-se, em meu assustado ser, como carrapicho.

 

Quanto mais aparecer o retrato falado,

Quanto mais eu jogá-lo para fora,

Creio que a ameaça irá embora.

 

O que mais quero, aliás, é vê-lo encurralado,

Para não me sentir,

Com tão pouca vida,

Tão amargurado.

 

No interior do meu ser,

Somente assim poderei ver antiga paisagem.

Como os raios de sol,

Que eu apreciava,

Bem cedinho, no amanhecer.

– Ou então no entardecer -,

De um dia qualquer. 

 

Brasília, DF, Brasil, 10 de dezembro de 2017.

 

©‎Síndrome do pânico. Poema de Bomani Flávio.

 

Clique aqui para curtir a página no facebook
Clique aqui para curtir a página no instagram

 

 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: