Um cavalo negro saiu da minha orelha.

POEMA: UM CAVALO NEGRO SAIU DA MINHA ORELHA.©

Parte 1. Cavalo negro.

Um imenso cavalo negro libertou-se da minha orelha,

Enquanto a terra girava,

Durante o sol da lua,

Sofri, e como sofri!

Dor de parto que ninguém presenciou.

Mas quem iria acreditar?

Meses, anos, por quanto tempo suportei, não sei.

A dor sobrenatural, às vezes, tem começo sem término,

Quando o medo vem de um equino.

cavalo negro
Imagem: Pixabay

 

Minha orelha direita brotou um cavalo,

Lindo cavalo negro de raça.

Possível criação da cera do meu ouvido.

Do cerume, e que tanto cerume, pois eu não limpava!

 

Estranha escultura oriunda de uma nojenta cera,

Fabricada pelo extraordinário magma,

Que tinha lá dentro do meu querido ser.

 

Além de lindo, bicho assustador.

Olhos que eu não via.

Animal grande como um elefante.

 

Lá dentro do ser, porém, quanto aperto!

Quanta sensação de aperto para um lugar.

Tão grande como uma concha de colher.

Aquela de sopinha!

Verdade muito maior do que a denúncia de delírio,

Extremo delírio,

Da mente cansada de um pobre trabalhador,

Que pega ônibus lotado todos os dias.

 

Trajeto longo como um dia,

Para uma vida com pouca ou nenhuma ousadia.

Quantas conversas comigo mesmo,

Inclusive nesse itinerário!

E às vezes eu ouvia:

Cara estranho.

Serzinho esquizofrênico!

 

Cada modalidade de doido que surge!

Eu dormia, acordava, fechava os olhos.

Para os passageiros um louco,

Para o cavalo negro um hospedeiro,

Que seria o derradeiro.

Parte 2. Cavalo negro.

Derradeiro com abrigo tão pequeno,

Para animal tão bruto.

Bem cuidado, pela aparência, em refinados haras.

 

Contudo, por que quis se abrigar em lugar que nada tem de aras?

Um imenso cavalo negro saiu da minha orelha.

Lindo e assustador animal,

Que saiu do meu ouvido,

Sensível ouvido de um trabalhador.

 

Como essa espécie animal entrou no meu ouvido,

Se eu me cuido o tempo todo?

Talvez tenha sido cria dos sonhos.

Desejos de uma casa boa,

Possuir carro próprio.

Dar condições dignas à família.

 

Como o bicho cresceu, não sei.

Mas eu sei que saiu.

O animal rosnou e sumiu misteriosamente,

Quem sabe seduzido por um outro abrigo,

Mais atraente do que o meu.

 

Foi-se e uma paz de espírito, lentamente, invadiu meu ser.

A habitual surdez foi embora.

Inexplicavelmente sons voltei a escutar.

Conversas comigo mesmo parei de falar.

 

Os habituais chatos do busão seguiram a longa viagem,

Sem um esquizofrênico a perturbar.

Sob o intenso sol da lua,

Um imenso cavalo negro saiu da minha orelha.

Lindo equino de raça,

Produzido pelo cerume do meu ouvido.

 

Foi-se o animal para muito longe.

Bem distante da minha orelha.

Eu nasci, cresci e envelhecendo estou,

Mas sei que tantas coisas ainda vão nascer dentro de mim.

Às vezes bicho sem pé nem cabeça.

Será que estarei pronto,

Já que não há uma escola de preparação?

 

Brasília, DF, Brasil, em 03 de agosto de 2018.

 

Cavalo negro saiu da minha orelha. Poema de Bomani Flávio. 

Clique aqui para curtir a página no facebook
Clique aqui para curtir a página no instagram

 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: