Guerra dos oceanos. [NARRATIVA EM CONSTRUÇÃO]

Resumo sobre a narrativa: E se o Brasil fosse deslocado geograficamente para a Europa, o que aconteceria? Confira na narrativa “A Guerra dos Oceanos.”

Narrativa em construção!!!!!!!!!!!!!!! 18-10-2018

 
 

NARRATIVA: GUERRA DOS OCEANOS.©

 

Capítulo 1

O deslocamento do Brasil para a Europa. 

 
 
Após a longa guerra dos oceanos¹, que durou menos de nove anos, há quem entenda trinta, por causa da estranha ruptura do tempo convencional, o mapa-mundi sofreu a maior reviravolta desde a remota Guerra dos Balcãs.²
Os intensos cataclismos³ e terremotos, como plus, ajudaram a redesenhar a geografia moderna, como se a realidade não aparente gerasse outra realidade bem além da compreensão da geologia.
Países, quase todos, permaneceram geograficamente no lugar de origem. Ilhados, porém, por grandes rios e mares. Autênticas fendas das águas que vieram das profundezas dos oceanos e da terra.
O que não se explica é o deslocamento do Brasil para a Europa, entre a Espanha e a Itália, interiorizando a França, a Alemanha, o Leste Europeu e praticamente quase todo o continente europeu, e os afastando definitivamente das delícias das águas do Mediterrâneo e grande parte da costa do Atlântico.
guerra dos oceanos
Fonte: https://pixabay.com/pt/mudan%C3%A7a-clim%C3%A1tica-clima-seca-1325882/
 
O continente europeu cresceu assustadoramente com o acréscimo territorial da nova terra.
Cientistas europeus e americanos simplesmente não tinham explicação para o fenômeno. A crença de que o Brasil, sem tradição em tecnologia de inovação, tenha criado a teoria cisma, deixou a vanguarda científica européia e norte-americana ávida por essa obscura tecnologia.
O deslocamento da terra brasileira para a Europa, por conseguinte, tomou a capa dos jornais internacionais.
A eterna tensão política entre os Estados Unidos e a Rússia, o crescimento econômico da China, a Guerra na Síria, os temas palestinos, o Irã ou os testes de mísseis da Coréia do Norte, nada disso prevaleceu diante do súbito interesse internacional pelo Brasil.
O deslocamento territorial da terra brasileira, de fato, assombrou o mundo.
Os europeus, ainda sem resposta para evento geológico sem similar na história moderna, fecharam o comércio e as fronteiras com a nova terra, temendo a imigração ilegal.
Embora o aumento considerável do território europeu, a nova terra empobreceria a riqueza do continente, além do aumento dos bolsões de miséria, segundo políticos nacionalistas.
A resistência européia intensificou-se após o lançamento de estudo que apontava São Paulo como nova meca do capitalismo no continente. O Rio de Janeiro ofuscaria o turismo de Paris, Londres, Barcelona ou Roma, por exemplo.
Ambas metrópoles brasileiras nas margens do Mediterrâneo.
A Amazônia alterou substancialmente o clima nos países do norte, como a França e Alemanha, não acostumados com longos alongamentos e chuva.
Os embaixadores brasileiros nos países europeus foram expulsos porque qualquer menção ao Brasil causava repulsa. Os europeus repudiavam o novo vizinho, sem vínculo histórico com o continente.
Não obstante a intervenção mediadora do Vaticano, os brasileiros ficaram isolados no continente europeu, além do boicote comercial das nações amigas da Europa.
Os brasileiros estavam ansiosos por uma resposta da reunião extraordinária do Parlamento Europeu.
Até hoje os brasileiros esperam por uma resposta que não veio.
Há quem interprete a reviravolta do mapa-mundi como sinal de novos tempos para o mundo moderno.
 
NARRATIVA EM CONSTRUÇÃO.
ESPERANDO O MELHOR MOMENTO PARA DESENVOLVER.
IDEIAS SURGINDO.
POR FAVOR, AGUARDE.
 

Capítulo 2 E como ficou a terra velha.

 
???
A suspeita de que espiões internacionais tenham se infiltrado na nova por notícia sobre a teoria cisma, o deslocamento do Brasil para a Europa revelava dois Brasil.
O Brasil que foi para a Europa, com toda a estrutura geológica, física, comércio, parque industrial, e o Brasil que continuava na América do Sul, surpreendentemente uma terra vazia.
Na prática, notava-se que considerável contingente de brasileiros, com alta concentração de renda, foi morar na terra brasileira da Europa. População com baixa renda, quase cinquenta por cento do povo, permaneceu na terra nativa.
Ilhados, na verdade, por uma terra sem forma e vazia. Como habitar uma terra sem rios, sem florestas, sem estradas e cidades?
Espólio substituído por um enorme deserto que ora ficava silencioso, ora ventava com um som que explodia os ouvidos.
Supunha-se que o contingente populacional beirava os cento e cinco  milhões de pessoas, entregues ao imprevisível mundo de uma terra sem nada.
O que piorava a situação é que os Estados Unidos, a Rússia, a China, o Japão e muitos países representativos, rejeitavam qualquer ajuda, por causa da Europa.
 

Capítulo 3 A escravidão do povo brasileiro.

 
 

Capítulo 4

 
 guerra nos oceanos
Fonte: https://pixabay.com/pt/soldados-militar-eua-armas-guerra-1002/
 


¹Guerra dos Oceanos foi um evento …(descrição a ser inserida)
²A Vikipédia informa: Designam-se Guerra dos Balcãs (português europeu) ou Bálcãs (português brasileiro) (ou ainda Guerras Balcânicas) os conflitos bélicos que ocorreram na região do sudeste europeu dos Bálcãs, no início do século XX. Consistiram de duas guerras curtas, entre SérviaMontenegroGréciaRomêniaTurquia (sucessor do Império Otomano) e Bulgária pela posse dos territórios remanescentes do Império OtomanoFonte: https://www.google.com.br/search?
³Cataclismos (descrição a ser inserida)
³https://www.theguardian.com/science/2018/may/02/stephen-hawkings-final-theory-sheds-light-on-the-multiverse
 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: