Torne-se cientista da própria vida pessoal.

POEMA: TORNE-SE CIENTISTA DA PRÓPRIA VIDA PESSOAL.

Parte 1. Vida pessoal.

Torne-se cientista da vida pessoal,

Quer dizer, cientista da própria vida pessoal,

Já que tudo gira em torno do emocional.

Quando não gira, gira em torno do sol. 

Se o sol, aliás, não for o gigantesco sol de arder os olhos,

Que há dentro do coração.

vida pessoal
Imagem: Pixabay

 

Coração valente que suporta muita dor.

Às vezes dor de morrer a carne,

Outras vezes dor de morrer a alma.

Dor que precisa de muita observação.

 

Se a ciência começa na observação,

O ser aflito precisa de solução,

Para a devida ação.

 

Torne-se cientista da própria vida pessoal,

Antes que os primeiros socorros cheguem.

Cientista dos primeiros socorros,

Da própria vida pessoal.

 

Descubra os primeiros sintomas da ansiedade e da depressão,

Que assustam exageradamente a alma do ser.

Crescem tanto que a alma geme.

Dor do silêncio que algema.

 

Se os espectros tivessem olhos e pele,

Tudo pareceria fácil.

O ser escolheria as armas para o combate.

Na medida certa para cada combate.

 

Mas nem todo inimigo tem olhos e pele.

Mesmo assim, o ser sente, sente tanto, que chora.

Torna-se, sem saber, de dezenas de elefantes.

Para ombro que mal leva a cabeça do tronco

Torne-se cientista da própria vida pessoal.

 

Observar-se começa com aquelas perguntas.

Indagações rotineiras que assombram a alma do ser.

Por que sou assim?

Em que minha vida pode melhorar?

Por que tantas tentativas frustradas?

Por que relacionamentos errados?

Por que a demora da prosperidade?

Por que remédios contra a ansiedade?

Por que, assim, tanta burrice?

Parte 2. Vida pessoal.

Torne-se cientista da própria vida pessoal.

Quem não faz perguntas, não será gente.

Tornando-se cientista da própria vida pessoal,

Será, de imediato, a imediata ajuda.

 

Nesta vida tão bela e que às vezes parece ingrata,

Tudo pode girar de maneira confusa.

Quando não gira, gira em torno do sol. 

Se o sol, aliás, não for o pequeno coração.

O que habita dentro da alma.

 

O cientista da vida pessoal sabe onde pisa.

Saber onde pisa diminui a ansiedade,

Esvazia ou acaba com a depressão. 

A tal ponto que dezenas de elefantes podem virar a menor das formigas.

Cientista da própria vida pessoal. Poema de Bomani Flávio. 

 

Brasília, DF, Brasil, em 10 de setembro de 2018.

 

Clique aqui para curtir a página no facebook


Clique aqui para curtir a página no instagram

 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: