Em tempos de cataclismo, vire um lobisomem.

POEMA: EM TEMPOS DE CATACLISMO, VIRE UM LOBISOMEM.©

Parte 1. Solte o lobisomem.

 

Em tempos de cataclismo, de aterrorizar o ser, 

Vire lobisomem, se quiser sobreviver.

O faro do lobisomem poderá salvar você.

Serão tempos extremamente sombrios.

As leis estarão em desequilíbrio.

Interpretá-las com má-fé pode machucar o ser.

 

Antes que o tempo chegue,

Vire lobo dos tempos do cataclismo.

Antecipa-se com os olhos do licantropo.

Solte a fera de dentro de você.

lobisomem
Imagem: Pixabay

 

Em época adversa, tão incomum,

Do nada muita coisa surgirá.

O ser precisará de conhecimento,

Mas, se não tiver lentes potentes,

Talvez ninguém venha a socorrer.

 

Em época de cataclismo,

Torne-se um licantropo do saber.

A fera do cataclismo é mais que teoria.

A história do homem lobo é mais que alegoria.

Os olhos do licantropo serão a própria história.

 

Porém, não vire o animal da lua cheia.

Este bicho vem da diversão do cinema.

Recreio para os olhos que apenas assusta o ser.

 

Tempos de cataclismo são tempos sem conhecimento,

Que ficará escondido para não dar discernimento,

Em época voltada para o não saber fazer.

Parte 2. Solte o lobisomem.

Em tempos de cataclismo, de aterrorizar o ser,

Vire o visionário, se quiser sobreviver.

Quem perder a visão, poderá desaparecer.

Quer ter, pois, envergadura?

Vire um lobisomem.

Tenha a força do saber.

Sobreviva sem morrer.

Antes tarde do que nunca,

Solte a fera de dentro de você.

 

Faça isso antes das trinta luas.

Senão viverá no mundo da lua.

Em tempos de cataclismo, de aterrorizar o ser, 

Solte o lobisomem que há dentro de você.

Caso tenha perdido a visão,

Vá para as campinas do clamor.

lobisomem - Elohim
Imagem: Pixabay

 

Com as mãos levantadas para os céus,

Lutará com Elohim,

Que criou as noites e os dias.

Que criou as ideias, os seres.

Lutará durante noites sem fim.

No final, Elohim abençoará você.

 

Mas não se preocupe com os cataclismos.

Preocupe-se com o protagonismo.

Se não quiser ser um lobisomem,

Não será filósofo do saber.

 

Quadrúpede contra as vacinas,

Para eliminar os pobres e os doentes,

Que se juntariam aos feios.

 

Assim, seja lobisomem contra os algoritmos.

Talvez o maior de todos os cataclismos.

Canibal da manipulação,

Talvez a fonte de todos os cataclismos.

O algoritmo a todos poderá abater.

 

Em tempo de cataclismo, vire um lobisomem. Poema de Bomani Flávio. 

 

Clique aqui para curtir a página no facebook
Clique aqui para curtir a página no instagram

 

 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: