Agora vou falar da minha pátria.

POEMA: AGORA VOU FALAR DA MINHA PÁTRIA.

Parte 1 A pátria.

Brasília, 2018.

Todos falam de suas pátrias.

Agora vou falar da minha.

Filho que não engradece a pátria,

Mas espolia o que a terra tem,

Impedi que a nação se torne uma rainha.

pátria
Imagem: Pixabay

 

Para se tornar uma rainha,

Minha terra precisa de sonhos.

Urgentemente de sonhos,

Desses que levam homens à lua.

Sonhos que projetam foguetes no espaço.

Filhos que ganham prêmio Nobel.

Façanha decorrente de pesquisas e literatura,

Aliada à pacificação social.

 

Mas minha nação não acorda.

Pátria que não acorda, não realiza façanha.

Pátria não pode virar zumbi,

Que não é de ninguém.

Mas quando meu berço sonhou,

No pouco tempo que sonhou,

Apareceu a capital que a nação ganhou.

Brasil

 

Capital que inaugurou novos tempos.

A terra ingressou na modernidade do olimpo,

Por causa do sonho de ocupar os campos.

Teve filho que sonhou com o avião.

Logo surgiu o 14 bis.

Tem sonhado com futebol.

Quantas façanhas de assombrar  os campos!

 

O País precisa assombrar outras terras, outros mundos.

A nação assombra outras terras com inovações.

Somente assim conseguirá assombrar os filhos,

Que querem estudo e emprego.

Os anciãos, de sonhos de vida boa.

Parte 2 A pátria.

É isso que minha terra precisa.

De sonhos para os filhos realizá-los.

Homens e mulheres com toneladas de energia e ousadia.

Filhos que buscam a governança pública.

Pois nação sem ordem,

As coisas desandam.

Se a corrupção atingir o prato,

Come-se os sonhos,

Do trabalhador.

 

Acorde, minha pátria.

Não adianta fazer carros que não andam,

Guardar foguetes que não saem da barriga,

Lançar modelos de internet e GPS para míngua  duas pessoas,

Se a população não tem hospital,

Nem transporte de excelência.

Outras pátrias têm sonhado.

Quantas têm sonhado!

Muitos frutos têm ganhado.

 

Acorde, minha pátria.

Vista o lençol das inovações.

Quanto mais inovar,

Mais prosperidade terá.

Está na hora de incitar os filhos,

Com sonhos e ousadia.

Quem sabe assim volte a ser rainha,

Que não seja do conto de fadas.

 

Brasília, DF, em 11 de outubro de 2018.

 

Minha pátria precisa urgentemente de sonhos. Poema de Bomani Flávio.

Clique aqui para curtir a página no facebook
Clique aqui para curtir a página no instagram

 

 

 

Imagem: http://www.jws.com.br/2018/02/documentario-sobre-a-construcao-de-brasilia/

 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: