A ansiedade não vem do planeta Marte.

POEMA: Ansiedade não vem do planeta Marte.

 

Parte 1 Luta contra a ansiedade.

 

A ansiedade não vem do planeta Marte,

Onde não vive o querer.

Vem das terras de dentro.

Vem do odiar e do querer.

Substâncias que vivem dentro de cada ser.

Tóxicos que seduzem o viver.

A ansiedade, pois, nunca virá do planeta Marte,

Se o coração lá não estiver.

planeta marte
Imagem: Pixabay

 

Quanto mais adiar o querer,

Mais evidentes as chatices do ser.

A ansiedade é produto da terra,

Daquela terrinha, dentro de você.

Esta terra pouca gente entende,

E às vezes nem o próprio ser.

 

Mas também tem as terras de fora.

Quais sejam, das pisadas, dos olhares.

Do cenário de todos os dias.

Isso tudo pode virar beleza.

Também pode virar tremenda tristeza.

 

O resultado é dor ou aperto do peito,

Respiração ofegante ou falta de ar,

Mãos secas ou pés frios,

Tremores nas mãos ou partes do corpo.

 

Tantas possibilidades contra o ser.

Cerco que tem um único desfecho:

A vontade que afeta o ser.

 

Funil que resume a vida:

Felicidade ou infelicidade.

Talvez a ansiedade da vida.

Tudo por causa do odiar ou do querer,

Que está dentro de você.

 

E parece que sempre será assim:

O planeta Marte tão longe.

Porém, lá dentro do ser,

As terras atormentado você.

 

Assim sempre será o viver,

Marcado por terras que cercam o ser.

As terras de dentro e as de fora.

Se a ansiedade viesse do planeta Marte,

Talvez não existissem as terras de dentro e as de fora,

Que tanto atormentam você.

 

 

Brasília, 31 de janeiro de 2019.

 

A ansiedade não vem do planeta Marte. Poema de Bomani Flávio.

 

Clique aqui para curtir a página no facebook

Clique aqui para curtir a página no instagram

 

Texto complementar: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/ansiedade

 

 

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: