Uma onça tatuou minha pele.

POEMA: UMA ONÇA TATUOU MINHA PELE.

Parte Onça pintada.

 

Uma onça tatuou minha pele.

De um dia para o outro,

Uma onça mudou a minha pele.

Estranho animal,

Que me deixou mal.

Deixou toda minha pele

Salpicada de manchas.

De quê?

De manchas vermelhas.

Tatuou todo o meu corpo,

Para estarrecer e estremecer o meu eu.

O animal, infelizmente, se escondeu.

Para o médico se escondeu.

De tanto se esconder, reapareceu,

Para estarrecer e estremecer o meu eu.

onça
Imagem: Pixabay

 

Mas que onça pintada era aquela,

Que do nada surgiu?

Que agora eu vejo,

Do outro lado da janela,

Zombando do meu eu?

 

É a onça do cataclismo.

Vem do nada.

Aproveita o outono,

Talvez outra estação,

Para estarrecer e estremecer

A qualquer eu.

 

Todo o meu corpo salpicado de manchas.

De que manchas?

De manchas vermelhas,

Para estarrecer e estremecer o meu eu.

 

De onde vieram severas coceiras,

De fazer as mãos se contorcerem

Até provocar canseira,

Onde não havia canseira.

 

Como essa onça surgiu?

Veio do passado?

Do futuro?

Do nada surgiu.

 

Veio pelo ar.

Talvez por um creme corporal vencido.

Pode ter vindo por virose,

Mas nunca por neurose.

 

Onça maldita!

Veio do nada,

Para estarrecer e estremecer o meu eu,

Sob a reação do corticorten,

Com a ajuda do allegra.

 

Mas Elohim surpreendentemente agiu,

Para afastar esse maligno coliseu.

Não fosse assim,

O bicho teria se transformado na morte,

Para estarrecer e estremecer o meu eu.

Antes manchas quase assassinas pelo corpo

Do que a invencível morte.

 

 

Brasília, DF, em 27 de junho de 2019.

 

Que onça pintada vejo, do outro lado espelho? Poema de Bomani Flávio.

 

Clique aqui para curtir a página no facebook

Clique aqui para curtir a página no instagram

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: