Não me toque, meu amor.

POEMA: NÃO ME TOQUE, MEU AMOR.

Parte O Toque.

 

Não me toque, meu amor.

Por favor, não me toque.

Estou muito sujo.

Ir para a cama tão sujo assim,

Sujará os limpos lençóis.

Energia que faz surgir os beijos intensos,

Viagens inesquecíveis ou mensagens incansáveis.

Não importa se na lua minguante,

Cheia ou crescente.

Toque
Imagem: Pixabay

 

Enquanto não tomar meu banho,

No rio que banha a árvore da vida,

Com água que limpa a vida do casal,

Não me toque, meu amor,

Por favor, não me toque.

 

Pois o que eu vi na rua me contaminou.

Meus olhos aceitaram a luxúria.

Dormiram com a luxúria,

Que não são destes lençóis.

 

Preciso, pois, recuperar a coluna de fogo,

Que aparecia durante a noite.

Imã para aparecer aquela grande nuvem,

Durante o dia.

 

Somente assim os estranhos cenários desaparecerão.

Cenários que impedem os toques.

Tão comuns nas fotografias nos quartos e na sala,

Que fazem lembrar, como bússolas, do nosso amor.

 

 

Brasília, DF, em 27 de outubro de 2019.

 

Não me toque, meu amor. Poema de Bomani Flávio.

 

Clique aqui para curtir a página no facebook

Clique aqui para curtir a página no instagram

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: